Por que razão o router é tão importante no teletrabalho?

Por 25 Março, 2021Notícias Tempo de leitura: 3 minutos

Nos últimos anos, ouvimos falar cada vez mais de cibersegurança e proteção de dados. Todos os dias é colocado maior ênfase na importância de estar alerta e de ter as medidas necessárias para proteger a nossa informação online. Um router devidamente protegido é essencial para assegurar estes níveis de proteção.

Este aspeto é ainda mais importante agora que o teletrabalho está tão difundido. Uma vez que nas nossas casas não só temos informações sensíveis sobre nós próprios, mas também sobre a empresa para a qual trabalhamos. Isto significa que as empresas estão hoje mais vulneráveis do que nunca.

router

A segurança informática está num momento de grande repercussão devido ao aumento da cibercriminalidade. E se está a pensar que isto só acontece em grandes empresas e que não lhe pode acontecer, pense duas vezes. Em 2020, com o aumento da percentagem de trabalhadores que estão a trabalhar fora do escritório, a cibercriminalidade viu uma oportunidade. E como resultado da utilização de redes não confiáveis para entrar em sistemas corporativos, puderam encontrar o calcanhar de Aquiles do teletrabalho.

O objetivo é claro: obter acesso a informação sensível, que podem utilizar para obterem ganhos financeiros, extorsão ou mesmo, por vezes, apenas por aborrecimento! Considerando que o alvo é praticamente qualquer pessoa com acesso à rede. E que, dependendo da gravidade, pode ter consequências negativas no trabalho, é essencial ter as melhores armas para o evitar.

router

É por isso que um router “ciberseguro” deve fazer parte da sua vida quotidiana. Quer saber sobre alguns routers seguros para o teletrabalho? A TP-Link conta com vários que utilizam a tecnologia TP-Link HomeCare™ para proteger os seus dados sensíveis e limitar o acesso de crianças e guests. O HomeCare™ confere as ferramentas de que necessita para gerir totalmente a sua rede.

O crime existirá sempre e os criminosos estão a expandir os meios de contacto com as suas “vítimas”. Embora nenhuma medida isolada erradique o problema a cem por cento, é importante não deixar a porta escancarada, certo?

Comentar artigo