Deepfake: o que deve saber

Por 15 Março, 2021Notícias Tempo de leitura: 2 minutos

Produtividade, qualidade, minimização de erros. Estes são alguns dos benefícios da inteligência artificial, que veio sem dúvida, melhorar o nosso estilo de vida. No entanto, há também outro lado da IA, por vezes não tão maravilhoso, que é cada vez mais falado a cada dia chamado “deepfake”.

Descubra o Neffos C5 Plus

Alguma vez viu aqueles vídeos em que alguma pessoa famosa aparece a dizer coisas que não disseram realmente? Há alguns anos atrás começámos a ver vídeos deste estilo sem grande significado. No entanto, com o desenvolvimento da tecnologia começaram a preocupar-se porque a cada dia são mais surpreendentes.

Num artigo publicado pela empresa de pesquisa de mercado Simple Lógica, foi determinado que 86% das pessoas acredita em notícias falsas. E apesar do facto de 60% destas pessoas acreditarem que os conseguem identificar, apenas 14% o conseguem de facto.

Agora também começámos a ver falsificações profundas nas campanhas publicitárias de algumas marcas, como num caso recente em que Lola Flores foi “ressuscitada”. Outras vezes são utilizados para entreter e, em casos mais graves, para desinformar ou criar confusão.

Grandes figuras como Donald Trump, Emma Watson ou Angela Merkel têm sido alvos destes vídeos, por isso a TP-Link guia-o na forma de os identificar:

  • Pestaneja menos. E não estamos a brincar, uma forma de os identificar é analisar os olhos da pessoa que está a falar, pois o algoritmo é incapaz de piscar ao ritmo humano.
  • O rosto e o pescoço coincidem? O tom da pele é o mesmo? A postura coincide com a expressão facial?
  • A inteligência artificial concentra-se no ajuste da imagem, mas não no som. O mau timing será uma cedência imediata.

Ao ritmo a que a tecnologia se está a desenvolver, dentro de muito pouco tempo a escalabilidade destes vídeos será imparável e qualquer pessoa será capaz de os fazer. Diz-se que “até ver, não acredite”, mas e se o que estamos a ver for falso?

Comentar artigo